EMPIRICUS: A METAMORFOSE AMBULANTE

Tags

, , , ,

“…..Eu quero dizer

Agora o oposto do que eu disse antes
Eu prefiro ser
Essa metamorfose ambulante

Do que ter aquela velha opinião
Formada sobre tudo
Do que ter aquela velha opinião
Formada sobre tudo…..”

(Raul Seixas)

Empiricus, aquela que prevê o fim do Brasil...sempre manipulando. Agora que as ações da Petrobras subiram 40 -45% em dois meses, depois de uma queda forçada diante da boataria e do exagero em execrar o nome de uma Empresa, que é símbolo histórico desse País, a Empriricus sugere a você comprar ações da Petrobras….

Recordando….

O mega investidor americano Soros, enquanto a boataria rolava solto e as ações da Petrobrás despencavam, com a grande mídia fazendo o cálculo do valor da Empresa baseado não no seu ativo (refinarias, navios, reservas provadas de petróleo e gás, pré-sal, produção de mais de 2 milhões de BPO /dia), mas multiplicando o número de ações em bolsa pelo valor deplecionado. Pintando um cenário de catástrofe. Soros comprava na baixa….Agora, em 2 meses as ações subiram 40%-45%. Se ele vendeu, se vendeu, imagine quanto ele ganhou.

Lembre que nos EUA, o rendimento do capital investido mal ultrapassa 1,5% ao ano e no Japão, 1,7% ao ano. Imagine o lucro. A transferência de renda….

A Empriricus em fevereiro /2015 dizia:

ANÁLISE, EMPIRICUS – CONHEÇA O RISCO SISTÊMICO DA PETROBRÁS

Postado por Polibio Braga on 2/02/2015 07:38:00 PM

(os grifos são nossos)

A consultoria Empiricus, que se notabilizou no ano passado pelo embate público que manteve com o governo Dilma em plena campanha eleitoral, informou nesta segunda que o relatório do Deutsche Bank desta segunda leva o seguinte título: “Petrobras risk drags sovereign down” (Risco Soberano da Petrobras desce Ladeira abaixo – tradução livre). Leia todo o comentário de um dos analistas da Empiricus sobre Petrobrás –

Questão muito pertinente…

Petrobras teve a sua nota de classificação de risco recém rebaixada pela agência Moody’s, que manteve o rating em perspectiva negativa para possível rebaixamento adicional.

O rating soberno do Brasil, por ora mantém-se inalterado, embora também sob observação negativa.

Não que o mero downgrade da Petro, no caso, exija o ajuste na classificação de risco do País, como ocorreria se fosse o inverso.

Mas Petrobras pode, sim, forçar um ajuste no rating soberano brasileiro, arrastando a classificação de todas as outras empresas para baixo.

Se a divulgação do último balanço da Petro disse alguma coisa, é que a empresa sequer possui uma metodologia concisa para quantificar o rombo provocado pela corrupção.

As projeções que circulam por aí avalizam este argumento, dando conta de baixas contábeis que vão desde R$ 4 bilhões a perto de R$ 90 bilhões.

A janela de captações da empresa está fechada sem um parecer dos auditores.

Para ter o parecer, precisa quantificar de forma minimamente concisa o tamanho do rombo, para, possivelmente, ter suas contas avalizadas pelos auditores.

03:47 – Demora….

Petro ainda não reduziu de forma substancial o seu plano de investimentos. Prometeu que fará ajustes na divulgação de um novo Plano de Negócios, com publicação agendada para a metade do ano.

Enquanto isso, carrega a maior dívida corporativa do mundo e o maior plano de investimentos do mundo, tendo de investir mais de R$ 80 bilhões este ano.

E se não tiver as contas aprovadas e balanços publicados até metade do ano, o credores podem cobrar antecipadamente o pagamento de cerca de US$ 50 bilhões em dívidas por desumprimento de contrato.

De onde ela vai tirar dinheiro?

Seu custo de captação é elevadíssimo, seja via emissão de ações (em mínima de 10 anos) ou de dívida (falta de credibilidade, recente rebaixamento de rating, janela fechada sem parecer auditor).

Em M5M da semana passada, falei que o risco de quebra de Petrobras é baixíssimo. Afinal, a estatal é praticamente um risco soberano, a famosa “too big to fail”.

Se a coisa de fato apertar, e concordamos que o risco de que a coisa aperte é crescente, a saída natural seria recorrer a um socorro de governo.

Too big to fail –

Veja, que não estou elucubrando aqui – .

Em dezembro foi anunciado que a companhia negocia ajuda do governo para lhe fornecer empréstimo de R$ 7 bilhões, em engenharia financeira que envolve a Eletrobras.

Segundo apurou o Valor, há R$ 31 bilhões de exposição no setor bancário em crédito direto fornecido para a petroleira, sob risco com a operação Lava Jato.

Disso, os bancos públicos têm o maior volume, com R$ 11,5 bilhões pela Caixa e R$ 9,4 bilhões pelo BB. Concordamos que há, portanto, risco sistêmico (de espraiamento para outras esferas da economia) e risco crescente de iliquidez no curto prazo, ainda que não haja risco relevante de quebra da empresa.”

Agora, passado dois meses, a Empiricus recomenda a compra das ações, ou seja, estimula que o público compre na “alta”, mostrando um gráfico de queda das ações nos últimos 5 anos.

Empiricus research - queda das ações da petrobrás

Propaganda patrocinada da Empiricus Rsearch no Facebook. Data: 20/042015

A Empiricus em Propaganda paga no Facebook sugere a compra das ações da Petrobras, agora usando a evolução, segundo ela, do valor das ações nos últimos 05 anos (data de 20/04/2014)

Bom…duvidaria das intenções dessa “campanha patrocinada” da Empiricus. Mas deixo para você refletir sobre o assunto….

A PRIVATARIA TUCANA – CASO VALE DO RIO DOCE – NÓS NÃO VAMOS ESQUECER

Tags

, , ,

A privataria tucana

PHA – Conversa Afiada – entrevista o autor do livro A Privataria Tucana. Uma novela de arrepiar os cabelos. Não percam….

Por uma CPI para investigar a Privataria, como propõe Ciro Gomes…

A Vale do Rio foi construída com imensos sacrifícios do povo, depois de vigorosa resistência, dos mineiros e do presidente Vargas, contra a Itabira Iron, de Percival Farquhar. Obtivemos os empréstimos do Eximbank para a exploração das minas do Cauê e para indenizar os acionistas ingleses da Itabira Iron, mediante os Acordos de Washington, de 1942, que nos exigiram, de contrapartida, a cessão das bases do Nordeste para as operações das forças norte-americanas e o envio de tropas brasileiras para a guerra na Europa. A Vale do Rio Doce – agora Vale (2008) – para ser mais palatável aos negócios e acionistas, foi vendida por  R$ 3,3 bilhões, quando valia R$ 100 bilhões. “ Se você tivesse um cacho de bananas que valesse  R$ 9,00, você o colocaria à venda por R$ 0,30? Óbvio que não. Mas foi isso que o governo federal na era Fernando Henrique Cardoso fez na venda de 41% das ações da Companhia Vale do Rio Doce para investidores do setor privado, em 1997. Eles pagaram R$ 3,3 bilhões por uma empresa que valia perto de R$ 100 bilhões”.  Ainda segundo denúncias, em maio de 1995 a Vale do informou à Securities and Exchange Comission, entidade que fiscaliza o mercado acionário dos Estados Unidos, que suas reversas de minério de ferro em Minas Gerais eram de 7.918 bilhões de toneladas. No edital de privatização, apenas dois anos depois, a companhia disse ter somente 1,4 bilhão de toneladas do mesmo minério. O mesmo ocorreu com as minas de ferro no Pará, que em 1995 somavam 4,97 bilhões de toneladas e foram apresentadas no edital como sendo de apenas 1,8 bilhão de toneladas. Outro ponto polêmico é o envolvimento da corretora Merrill Lynch, contratada para avaliar o patrimônio da empresa e calcular o preço de venda. Acusada de repassar informações estratégicas aos compradores meses antes do leilão, ela também participou indiretamente da concorrência por meio do grupo Anglo American. De acordo com o TRF, isso comprometeu a imparcialidade da venda.

No primeiro ano de privatização, no qual a Empresa “avaliada em R$ 10 bilhões pela Corretora Marril Lynch”, foi leiloada por R$ 3,3 bilhões, o lucro líquido da empresa foi de R$ 12,5 bilhões, mais de três vezes o valor de sua venda.

No Brasil, os minérios são explorados por quatro sistemas totalmente integrados, que são compostos por mina, ferrovia, usina de pelotização e terminal marítimo (Sistemas Norte, Sul e Sudeste). A Vale consome cerca de 5% de toda a energia produzida no Brasil. Em 24 de outubro de 2006 a Vale anunciou a incorporação da canadense [Inco] , a maior mineradora de níquel do mundo, que foi efetivada no decorrer de 2007. Após essa incorporação, o novo conglomerado empresarial CVRD Inco – que mudou de nome em novembro de 2007 – tornou-se a 31ª maior empresa do mundo, atingindo um valor de mercado de R$ 298 bilhões, à frente da IBM. Em 2008 seu valor de mercado foi estimado em 196 bilhões de dólares pela consultoria Economática, perdendo no Brasil apenas para a Petrobras (287 bilhões) e se tornando a 12ª maior empresa do mundo. Em 2012 foi eleita a pior empresa do mundo pelo “Public Eye Awards”, por conta dos impactos de suas atividades em questões de direitos humanos e meio ambiente.

Ainda sobre a Vale do Rio Doce, nenhum choque de eficiência transforma em um ano uma empresa a tal modo que seu lucro líquido seja multiplicado por um fator de 10. Apesar de a empresa ter sido vendida pelo governo por R$ 3,3 bilhões ao setor privado, o peso do governo nas decisões estratégicas da companhia é grande, embora não tenha sido tão usado ao longo da última década.

O Conselho de Administração da Vale é controlado pela Valepar S.A, que detém 53,3% do capital votante da Vale (33,6% do capital total). Por sua vez a constituição acionária da Valepar é a seguinte: Litel/Litela (fundos de investimentos administrados pela Previ) com 49% das ações, Bradespar com 17,4%, Mitsui com 15%, BNDESpar com 9,5%, Elétron (Opportunity) com 0,03%.

Como principal empresa do setor de mineração do Brasil, a Vale deve encarar pela frente um cenário bem diferente – e muito mais árduo – do que viveu desde sua privatização em 1997.

Nos governos petistas, especialmente da Presidenta  Dilma Rousseff (PT),  se deixou claro que as regras mudariam no sentido de endurecer a taxação sobre a indústria de mineração – onde a Vale é a empresa dominante no País. As mudanças, que incluíram um novo posicionamento da maior empresa brasileira depois da Petrobras, culminaram com a saída do presidente da Vale, Roger Agnelli, em janeiro de 2011..

No governo Dilma Rouseff, a Vale vem  tendo seu grau de autonomia reduzido e enfrentou e continuará enfrentando uma maior ingerência do governo. Além disso, a intenção é fazer com que a empresa deixe de ser um mero fornecedor de matérias-primas – e agregue mais valor à produção.  Vender somente matéria prima gera péssimos e poucos empregos no País e isso não é nada bom para uma nação que quer crescer e produzir cada vez mais riqueza para o seu Povo. Pode ser bom para o acionista, mas não para a Nação.

Paulo Henrique Amorim entrevista Amaury Ribeiro Jr. autor do livro “A Privataria Tucana”, que a imprensa procurou esconder do grande público. Não deixem de assistir. Onde Serra, o que cerra e cerrará sempre, é um dos principais personagens dessa história nefasta para o Brasil.

THE OTHER SIDE OF GREENPEACE – PART 1

Tags

, ,

(O outro lado do Greenpeace – Parte 1)

logo acvitie facts

Activist Facts – Fundada pelo Centro de Pesquisa Organizacional e Educação (CORE) – Washington (EUA)

Actvist Facts  foi criada pelo Centro de Pesquisa Organizacional e Educação (CORE). Localizado em Washington, Estados Unidos da América, A organização está empenhada em fornecer informações detalhadas e atualizadas sobre organizações e ativistas. Eles analisam dezenas de recortes da imprensa, declarações oficiais e documentos do governo para criar esta base de dados.

As organizações rastreadas pelo site são entidades sem fins lucrativos isentas de impostos, muitas das quais se envolvem em ativismo anti-consumidor. Muitas delas estão ligadas por interesses pessoais, históricos e de finanças. Estes grupos promovem uma falsa ciência. As campanhas de intimidação e, às vezes, “ações diretas” até violentas são usadas para ameaçar o nosso direito de escolher determinados produtos.

Algumas dessas organizações foram muito além de seus princípios fundamentais em suas agendas anti-consumo. Outros usam nomes enganosos para esconder as suas agendas radicais e se envolver em práticas hipócritas e enganosas. Muitos sobre estimam os problemas de saúde pública, de forma a provocar a decretação de impostos punitivos pelas autoridades e proibição de nossos alimentos e bebidas favoritos. Esses ativistas usam táticas perversas para atacar nossas escolhas de consumo.

O Activist Facts se dedica a mostrar as verdadeiras faces destas organizações radicais. Uma delas é o Greenpeace….

O texto a seguir, Activist Facts, reflete as opiniões e informações de propriedade única e exclusiva dos autores, que nos deram autorização para essa adaptação para ao Português, para a leitura dos senhores. Para que conheçam o “outro lado da moeda”. O outro lado do Greenpeace. Muitos dos grifos são de nossa autoria…. Para se ler o texto na língua original, clique nesse link: https://www.activistfacts.com/?s=greenpeace.

“O Greenpeace

O Greenpeace é a maior organização ambiental do mundo, com uma penetração internacional de mais de 3 milhões de associados e escritórios abertos em mais de 40 países. A revista Forbes, uma vez descreveu-o como “um negócio habilmente gerido com pleno comando das ferramentas de mala direta e manipulação de imagens. E táticas que trariam condenação instantânea, se praticadas por uma empresa com fins lucrativos” Mas o Greenpeace escapou da censura pública se escondendo atrás da máscara de seu status de “sem fins lucrativos” e da sua isenção de impostos dos Estados Unidos. Em outros países, no entanto, o Greenpeace não foi tão bem sucedido: Tanto o Canadá quanto a Nova Zelândia revogaram o estatuto de “sem fins lucrativos” da organização, observando que a agenda excessivamente politizada do grupo já não tinha qualquer “benefício público”.

O Greenpeace é originalmente uma criação de um grupo de americanos radicais que se refugiaram em Vancouver (Canadá) em 1969 e, suportado pelo dinheiro de organizações anti belicistas, levantou como primeira bandeira o bloqueio dos testes nucleares americanos. Ao longo dos anos a atuação do Grupo se diversificou, envolvendo uma variedade de questões (testes nucleares, aquecimento global e outros), e seus magnatas ativistas baseados em Amsterdam administram um “negócio estimado globalmente em US$ 360.000.000 (2005).

Nos Estados Unidos, no entanto, o Greenpeace é um grupo ativista relativamente modesto, gastando cerca de US$ 10 milhões por ano. E a maior parte desse orçamento nos últimos anos envolveu tentativas ultrajantes como manchar o nome de produtos agrícolas de biotecnologia, eletrônica de consumo e as indústrias madeireiras e de pesca.

O Greenpeace faz campanha contra todas as formas de produção de energia, exceto as energias eólica e solar. Infelizmente, 98 por cento do fornecimento de energia do mundo vem de outros métodos de produção do que a eólica e a solar, o que não se espera que mude tão cedo, devido aos custos envolvidos, tanto em dólares quanto em matérias-primas, necessárias para produzir turbinas eólicas e painéis fotovoltáicos.

O Greenpeace afirma estar dedicado a salvar as baleias. Eles, na verdade, estão felizes por poderem explorar o impacto emocional da matança dessas criaturas nobres com a intenção de arrecadar fundos e recrutar membros, mas estão menos interessados em agir de fato para acabar com a prática da caça às baleias em todo o mundo. Em princípio, o Greenpeace não é mesmo contrário à caça de baleias.

O Greenpeace é contra o uso de inúmeras substâncias químicas, incluindo, mas não limitado a, cloro elementar, um dos blocos de construção da vida em nosso planeta. Considerando-se que o cloro é responsável pelo fornecimento de grande parte da água potável do mundo e faz parte de cerca de 85 por cento de todos os produtos farmacêuticos e vitaminas, esta postura linha-dura além de ser fruto da desinformação é também desumana.

O Greenpeace é inabalável em sua convicção de que  o “imprevisto” com relação à saúde e as consequências ambientais das plantações de culturas geneticamente modificadas, que podem crescer em ambientes hostis para sempre, superam os potenciais benefícios humanitários. Enquanto eles montam protestos que visam negar o que é classificado como “comida Frankenstein” mutante a partir do solo nas prateleiras dos supermercados, as populações pobres em todo o mundo sofrem com a pandemia evitável da desnutrição.

O Greenpeace continua determinado a destruir a indústria da aquicultura, enquanto continuam a divulgar alarmes sobre o estado das populações de peixes selvagens. Usando imagens apocalípticas dos oceanos, despovoados de todos os organismos aquáticos. O Greenpeace consegue manter as doações à custa de uma indústria que já faz um grande esforço para garantir a sua sustentabilidade.

Ao invés de trabalhar lado a lado com os donos das empresas visando forjar um caminho para um futuro sustentável como outras organizações ambientais menos míopes, a adesão dogmática do Greenpeace ao princípio da precaução faz com que eles ignorem as falhas fatais inerentes às suas próprias políticas radicais.

Campanhas atuais

Hoje, o Greenpeace está engajado em campanhas ativas contra antigos inimigos – a nuclear, a exploração madeireira e a indústria baleeira – e alguns mais recentes, mas ainda com objetivos absurdos, incluindo a indústria da pesca, a agricultura, os alimentos geneticamente modificados e as empresas produtoras de eletrônicos ”tóxicos” de consumo.

O Caso dos Peixes

Mais recentemente, o Greenpeace – EUA levantou um falso alarme sobre o crescimento da indústria de pesca de biotecnologia. Um punhado de empresas inovadoras têm aprendido a melhorar geneticamente determinadas espécies de salmão para fazê-las crescer mais rapidamente. O Grupo está fazendo todo o possível para assustar os consumidores sobre este novo produto e está trabalhando nos bastidores para tentar bani-lo antes que possa chegar ao mercado.

O Greenpeace continua determinado a destruir a indústria da aquicultura, usando como argumentos o alarme sobre o estado das populações de peixes selvagens. Peixes de viveiro, como o salmão, na verdade, tiram a pressão sobre as populações selvagens, oferecendo aos consumidores uma fonte acessível de proteína rica em ômega-3, saudável para o coração. Mas o Greenpeace quer fazer o salmão de viveiro inimigo de salmão selvagem. Com este fim, o grupo inventou uma campanha alarmista com foco na ameaça de piolhos do mar. Infelizmente para o Greenpeace, um nexo de causalidade direto entre os piolhos do mar e o declínio das populações de salmão selvagem ainda não foi comprovado, enquanto isso a indústria da aquicultura está trabalhando duro para encontrar novos e melhores métodos ainda mais sustentáveis para garantir que o seu produto possa continuar a ajudar tanto as populações de peixes selvagens quanto os humanos.

Junto ao segmento da aquicultura, o Greenpeace quer fazer tudo, o impossível, abraçar em sua causa todas as populações selvagens de quaisquer espécies de peixes, independentemente da sustentabilidade. Em 2008, o Greenpeace lançou o seu “relatório”: sustentabilidade dos mariscos visando pressionar os supermercados americanos em remover quase metade de todos os frutos do mar disponíveis. Na página um da “peça” alarmista, o Greenpeace afirma que a pesca comercial do mundo poderia entrar em colapso nos próximos 40 anos e que “90 por cento das reservas de grandes peixes predadores já foram perdidos.” Infelizmente para os alarmistas do Greenpeace, estes números são baseados em um estudo há muito tempo desmascarado, que tem sido descrito por diversos pesquisadores independentes (e até mesmo o próprio autor do estudo) como “falho e cheio de erros”.

Em resposta a este relatório, o Instituto Nacional de Pesca decidiu oferecer o seu próprio relatório. Um olhar mais profundo sobre as espécies de peixes realmente ameaçadas, da “lista vermelha” do Greenpeace:

O Caso Hoki

Sobre a pesca do peixe hoki, natural da Nova Zelândia, o Greenpeace considera ser uma das espécies de peixes prioritárias a serem retiradas de venda nos mercados. O que eles não dizem é que o governo da Nova Zelândia reduziu recentemente os níveis de captura para o hoki, com base em estimativas científicas de seu estoque no ambiente natural. Foi uma ação baseada em fatos e evidências cientificas que permitiram a tomada de decisão dos gestores da pesca -. Quando a demanda sobe, maior volume de pesca é permitido. Quando a demanda cai reduz-se o volume permitido de pesca. O Órgão gestor é o Conselho de Manejo Marinho. Com essas ações regula-se as flutuações das reservas de Hoki naturais e mantém-se estável o mercado da pesca. O Greenpeace falha em não reconhecer este aspecto tão importante da gestão visando à sustentabilidade e expõe as suas fraquezas no que diz respeito aos seus esforços sobre o tema.

O Pollock do Alasca

Aparentemente o Greenpeace está “no escuro” quando se trata da pesca do Badejo do Alasca, que  é considerado por muitas ONG´s, especialistas de pesca do governo, e da indústria, ser um modelo de gestão de pesca que atende a todos os requisitos do Código de Conduta para a Pesca Responsável desenvolvidos pela Organização para a Alimentação e Agricultura das Nações Unidas (FAO). O estoque do Pollock do Alasca é abundante e a pesca é gerida de forma sustentável. A Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA) coloca desta forma,”os níveis da população do Pollock do Alasca são altos e não há pesca excessiva ocorrendo“. É muito simples.

O Camarão Tropical

O camarão é um dos frutos do mar favoritos da América. Cerca de 92% do camarão consumido pelos americanos é importado, e cerca de 86% é cultivado. Um terço (32% e crescendo) do camarão importado, cultivado, vem do processamento de plantas que são certificadas pelo Conselho de Certificação da Aquicultura (ACC). A ACC está atualmente concentrando esforços para aumentar o número de fazendas que participam do programa de certificação.

Porque os varejistas temem perder a fonte de fornecimento dessa espécie em função da conjuntura de pressão imposta contra esse tio de criação, muitas cadeias de supermercados mudaram recentemente sua posição sobre a comercialização de frutos do mar com origem de forma sustentável. Claro, o Greenpeace está mais do que disposto em levar o crédito por este feito, apesar do fato de que vários supermercados especificamente declararam que estas decisões foram tomadas como resultado do conselho, não dado pelo Greenpeace, mas pelo New England Aquarium e outros, que são organizações menos fanáticas.

De fato, as notícias sobre práticas de pesca sustentáveis são muito menos terríveis do que o Greenpeace quer que você acredite. Enquanto o Greenpeace gasta seu tempo desenterrando velhos estudos, desmascarados, para compilar seus relatórios alarmistas destinados a provocar uma “resposta emocional” sobre o estado sombrio de nossas pescarias, os cientistas do governo, independentes, avaliaram a real situação da sustentabilidade das populações de peixes americanos. E, você não saberia disso, o título para o NOAA 2008 Relatório Americano do Estatus da Pesca é: “Sete espécies removidas da lista da pesca excessiva, nenhuma adicionada“.  Uma boa notícia, certo? Compare isso com o subtítulo do relatório Greenpeace de “Carting Away the Oceans”: “As mercearias, supermercados, são o esvaziamento dos mares.”

Aliás, de acordo com o relatório da NOAA, entre os recursos pesqueiros não listados como sujeitos a pesca excessiva estão o atum (Pacífico Oeste Central), a albacora, o atum patudo ( Atlântico) e o  tamboril – todas essas espécies são destaque na lista vermelha da Greenpeace. Para saber sobre as estatísticas atualizadas sobre o estado real de quais espécies de peixes estão sujeitas a pesca excessiva clique aqui.

O Atum Falando

Não contente em limitar a sua propaganda à indústria de pesca como um todo, o Greenpeace recentemente fixou sua atenção na indústria do atum em um ataque ainda mais específico e intensivo. De acordo com seu “modus operandi” habitual, o Greenpeace lançou uma campanha nacional que vilipendia empresas que comercializam atum através de vídeos grosseiramente exagerados, acompanhado por cartas de angariação de fundos urgentes.

Ignorando o fato de que o atum enlatado é uma das melhores e menos caras fontes de nutrientes essenciais como proteínas, vitamina D e ômega-3, os ácidos graxos. O Greenpeace parece determinado a coagir as empresas varejistas a limpar suas prateleiras deste alimento nutritivo.

“Em vez de trabalhar em iniciativas de sustentabilidade reais, o Greenpeace continua a tentar intimidar o comércio americano de venda de conservas de atum”, disse Gavin Gibbons, porta-voz do Instituto Nacional de Pesca, um grupo sem fins lucrativos, apoiado pela indústria.”Seus esforços consistem em acrobacias infantis, em oposição à ciência real e colaboração significativa. O Greenpeace marginaliza-se na conversa sobre sustentabilidade do atum, optando por ser um show à parte“.

Enquanto o Greenpeace se esforça para chocar e espantar o público e induzí-lo à doações para sua cruzada equivocada. Em contra partida, outros grupos de alto poder de conservação, como o Fundo Mundial para a Natureza (WWF), decidiram abandonar essas estratégias e se colocaram na posição de trabalhar lado a lado com as empresas que comercializam o atum, através da Seafood Sustainability Foundation Internacional (ISSF).

Fundada em 2008 por líderes da indústria do atum, cientistas marinhos e do WWF, o ISSF reúne empresas, governos, cientistas e ativistas conservacionistas que tem por objetivo identificar as melhores práticas e soluções ecologicamente sustentáveis para garantir a saúde à longo prazo de todas as unidades populacionais de atum, visando a proteção dos oceanos e procurando minimizar o impacto da pesca sobre os outros animais marinhos.

O Greenpeace argumenta que o “canto da sereia” sobre a pesca do atum está unicamente baseado em questões econômicas e que isso é o único motivador das tomadas de decisão da indústria do atum sobre as práticas de pesca. Mas a verdade é que, se o atum desaparecer dos oceanos, a indústria do atum deixaria de existir. Se as empresas de atum são tão gananciosas quanto o Greenpeace nos quer fazer crer é difícil imaginar que eles – indústria do atum – estrategicamente projetariam um cenário de futuro não sustentável, que lhes tiraria o único fator de garantia da continuidade do seu sucesso econômico.

Felizmente, como muitas das outras espécies de peixes das “listas vermelhas” do Greenpeace, as evidências mostram que as espécies utilizadas em conservas de atum são tão abundantes como era há 60 anos.

Ray Hilborn, professor de ciências aquáticas e da pesca, da Universidade de Washington, e ex-membro da Comissão do Presidente Para Política sobre Oceanos,observa que : “Em média, o atum e o peixe agulha são pescados no mundo em níveis com rendimento máximo sustentável e são tão abundantes que esse rendimento continuará no seu máximo. As pescas dos Estados Unidos estão indo muito bem”.

E enquanto o Greenpeace continua a arrecadar dinheiro através da promoção de uma visão apocalíptica de um mundo com oceanos desprovidos de todas as coisas vivas, Hilborn diz que esta mensagem de medo está muito longe da verdade.

Os oceanos não são totalmente explorados. Há grande quantidade de peixes no oceano, mas não tantos quanto haveria se não se contar com os oceanos como fonte alimentar. Se você quiser alimentar o mundo com o produto da pesca de captura você tem que aceitar que os oceanos se tornarão diferentes. Mas … se você comparar a pesca de captura selvagem para a produção de alimentos de outras maneiras, a pesca parece muito boa. Na verdade, ela parece muito melhor. Não importa como você meça o impacto ambiental: as pegadas de carbono, quantidade de água utilizada, (você pode pegar peixes no oceano sem água fresca!), antibióticos. A perda de biodiversidade fruto da  pesca tem uma pegada ambiental menor do que a produção de proteína animal na terra. Para produzir as colheitas para alimentar frangos, porcos ou vacas você destrói ecossistemas nativos e os substitui com espécies exóticas. A pesca mantém os ecossistemas, que são em grande parte natural – diferentes, mas muito menos diferentes do que os sistemas agrícolas.

Se o Greenpeace conseguir vencer a “batalha” pela retirada do atum dos supermercados, os consumidores serão obrigados a recorrer a outras fontes baratas de proteína e gordura, ou seja, carne, frango e porco. Certamente o Greenpeace sabe os custos ambientais envolvidos na criação de mais gado – habitats perdidos, o aumento do consumo de água, o aumento do uso de pesticidas, fertilizantes e antibióticos – e ainda assim eles parecem preferir esta opção do que o futuro de uma pesca sustentável.

Engenharia Genética: A ascenção da “Comida Frankenstein”

Outra campanha do Greenpeace profundamente enraizada na pseudo-ciência é a campanha  “anti alimentos geneticamente modificados”. Ao diretor de campanha do Greenpeace Charles Margulis é creditado o termo “Comida de Frankstein”. Foram ativistas do Greenpeace que conspiraram com outros grupos isentos de impostos (como o Amigos da Terra e da Associação de Consumidores Orgânicos) para “expor” os supostos perigos de milho geneticamente modificado. Entre as inovações recentes do Greenpeace há a criação da rotulada “brigada do cidadão”, que é, basicamente, um grupo de arruaceiros que tomam a lei em suas próprias mãos, pela força, com “advertências” e propagandas (algumas verdadeiras obras de arte, com crânios e ossos cruzados) emoldurando alimentos de consumo nas prateleiras de supermercados. E foi o Greenpeace que intencionalmente disseminou a história de que o milho transgênico colocaria a população das borboletas monarca em perigo. Quando o noticiário local trazia imagens de manifestantes protestando contra os alimentos geneticamente melhorados, via-se o olhar duro dos arruaceiros gritando palavras de ordem vestindo trajes similares à borboletas monarca. Isso é obra do Greenpeace.

A cada grito de “lobo!”, o Greenpeace parece aumentar a aposta, ignorando as consequências reais de sua retórica.

O grupo alertou que a engenharia genética de culturas poderia causar novos e horríveis alergias alimentares (que não tem) e que o milho transgênico colocaria em risco borboletas monarca (cujos números aumentaram substancialmente desde a introdução do milho transgênico).

Foi completamente esquecido pelos manifestantes que a dita “Comida de Frankstein” é um tremendo potencial para alimentos biotecnológicos que podem resolver muitos dos problemas relacionados com a fome do Terceiro Mundo.

Da Tanzânia, Dr. Michael Mbwille (do non-profit Food Security Network) disse: O “Greenpeace”, escreveu ele, impressiona e circula estas mentiras mais rápido do que o vírus Code Red infectou os computadores do mundo. Se fôssemos aplicar as recomendações errôneas, quase analfabetas do Greenpeace com relação à soja, universalmente, não haveria nada em nossas mesas”.

Na Grã-Bretanha, na França, e em outros lugares, os vândalos em nome do Greenpeace destruíram plantações de bioengenharia, exterminando milhões de dólares em pesquisas para o desenvolvimento de plantas de alimentos que necessitam de menos pesticidas, são mais nutritivas, reduzem as toxinas de fungos perigosos, resistem à inundações e secas e aumentam o rendimento das colheitas. As pessoas que mais se beneficiam desta pesquisa são os mais pobres, as mais desnutridas na Terra. Elas poderiam melhorar suas vidas, simplesmente por plantar sementes melhoradas de milho, algodão ou soja.

O melhor exemplo dos danos causados pela contínua oposição do Greenpeace aos transgênicos é a história do Projeto Arroz Dourado. Ao contrário da soja ou do milho, o arroz não é uma commodity – a maioria das lavouras de arroz do mundo é consumida onde ela cresce, e mais de 2 bilhões de pessoas no mundo dependem do arroz como seu alimento básico. Mas porque o arroz contém muito poucas vitaminas e minerais, o arroz por si só não pode fornecer os benefícios nutricionais suficientes para se evitar os efeitos devastadores da desnutrição, especialmente da deficiência de vitamina A. A Organização Mundial de Saúde estima que, em todo o mundo, 190 milhões de crianças menores de cinco anos de idade podem ter deficiência em vitaminas. Destes, cerca de 250.000 a 500.000 sofrem de cegueira e um número igual encontra esse fim em condições miseráveis em favelas urbanas. Pelas estimativas recentes, proporcionando às crianças e às famílias acesso fácil à vitamina A se poderia salvar 600 mil vidas por ano na África, Ásia e em outros países em desenvolvimento.

O arroz dourado (golden rice), uma cepa geneticamente modificada de arroz que produz beta-caroteno, que o corpo humano transforma em vitamina A, foi desenvolvido pelos acadêmicos alemães Ingo Potrykus e Peter Beyer com fins estritamente humanitários. Este novo grão, nutricionalmente fortificado, foi criado em 1988 e poderia estar no mercado desde 1999 ou 2000, mas o Greenpeace decidiu intervir.

Citando os perigos das consequências para a saúde ou ambientais “imprevistas”, o Greenpeace prometeu destruir as plantações do “arroz dourado” se e sempre que fosse plantado. Certamente a organização estava ciente das estatísticas da OMS para a deficiência da vitamina A, mas eles ainda assim escolheram se opor ao arroz dourado. Para o Greenpeace, os riscos desconhecidos associados ao plantio dessa cultura transgênica eram muito mais graves do que as consequências conhecidas. Assim, continuou a morte e o sofrimento de crianças em todo o mundo. Devido a isso, o criador do arroz dourado, Ingo Potrykus  acusou o Greenpeace de crimes contra a humanidade.

Compostos Químicos : O “Elemento do Diabo”

A desconfiança injustificada do Greenpeace acerca dos produtos químicos é quase tão antiga quanto o próprio Grupo. Depois de montar duas campanhas em grande parte bem sucedidas contra a proliferação nuclear e da caça às baleias, o Greenpeace voltou sua atenção para o que ele viu como o próximo perigo mais claro e presente: o elemento químico cloro.

Apesar do fato de que o cloro é o responsável pelo fornecimento de grande parte do caráter potável da água do mundo e estar presente em cerca de 85% de todos os produtos farmacêuticos e vitaminas, o Greenpeace mantém sua posição fundamentalista contra o elemento químico. Segundo o Greenpeace Joe Thornton: “Não há usos de cloro que consideramos seguro.”

Mas o que começou como uma campanha contra o 2,4,5-T (agente laranja) e dioxinas, logo se expandiu para incluir todas as formas de “elementos do diabo”. Existem muitas formas de cloro, sem dúvidas, nocivas para os seres humanos e o meio ambiente. A pesada rejeição ao “uso, exportação e importação de todos os organo clorados, cloro elementar e agentes oxidantes clorados” representou um importante ponto de virada para a organização.

Considerando-se tudo o que o cloro nos traz em termos de saúde pública e medicina (uso de cloro para purificar a água potável foi um dos maiores avanços na história da saúde pública), esse tipo de postura linha-dura deve ser considerada tanto anti-ciência como anti-humana

Este desdém para esse bloco de construção fundamental da vida pode ser rastreado até um dos fundadores do movimento ambientalista – Rachel Carson –Silent Spring (1962). Amplamente acreditado com a ajuda do lançamento do movimento ambientalista, Silent Spring documentou efeitos nocivos dos pesticidas, ou seja,dichloro diphenyl trichloroethane (DDT) no ambiente. O Greenpeace imediatamente apegou-se à tese central de Carson e logo toda a comunidade ambiental estava lutando por uma proibição em larga escala do produto químico. Como se constata, no entanto, em nenhum lugar em seu livro, Carson pediu a suspensão unilateral de inseticidas químicos; ela simplesmente questionou o seu uso arbitrário e irrestrito. Como Patrick Moore aponta: “Não foi Rachel Carson, que era razoável, mas os extremistas que usaram seus escritos para promover uma agenda de tolerância zero”.

O DDT foi, e continua sendo até hoje, uma das ferramentas mais importantes para o combate à propagação mortal da malária no mundo em desenvolvimento. Certamente, nestas situações, os riscos menores associados à química são vastamente superados pelos benefícios que podem salvar vidas. Mas, mesmo chegado o ano de 2000 o Greenpeace continuou pressionando a ONU para descartar o uso do DDT contra a malária. Em 2004 – sob pressão humanitária intensa – o Greenpeace finalmente cedeu e decidiu sancionar, a contragosto, o uso de DDT como inseticida. É aterrador pensar quantas vidas poderiam ter sido salvas se tivesse imperado o bom senso, a moderação. Mas a ciência triunfou sobre o eco-dogma do Greenpeace.

A Guerra contra a eletrônica e as garrafas de água

Em 2006 o Greenpeace lançou o seu “Guide to Greener Electronics,” que classificou quatorze fabricantes de produtos eletrônicos de consumo “verdes”, incluindo Nokia, Dell e Apple. Embora a Nokia e Dell recebessem algumas das melhores pontuações, o Greenpeace condenou a indústria como um todo, dizendo que nenhuma empresa estava fazendo o suficiente para manter os produtos eletrônicos de consumo livres de elementos tóxicos. A Apple, geralmente considerada como um dos líderes em design e inovação, passou perto do fundo, chegando em 11º lugar de 14. Num comunicado à imprensa intitulado “laptops tóxicos da HP e Apple expostos” a organização afirmou:

A Apple lançou recentemente sua nova linha de MacBooks, mas o que você também leva com o novo MacBook é o mais alto nível de um outro tipo de retardante de chamas tóxicos, o tetrabromobisfenol A.

O que eles não mencionaram no relatório é que, juntamente com a prevenção de centenas de mortes a cada ano (por prevenção eletrônica de explodir em chamas) tetrabromobisfenol A (TBBPA) nunca se mostrou prejudicial aos seres humanos.

De fato, em outubro de 2005, um painel de peritos científicos da Europa, o Comitê Científico da UE para a Saúde e o Ambiente (CCRSA), relatou à Comissão Européia queTBBPA não apresentava riscos para a saúde humana e não indicaram necessidade de medidas de redução de riscos .

Outro produto químico que entrou na mira do Greenpeace é o bisfenol A, também conhecido como BPA. O BPA é a base de construção de plásticos de policarbonato e resinas epóxi e é utilizado em quase todos os setores, inclusive na construção de garrafas de água de plástico e recipientes de armazenamento de alimentos. De acordo com ativistas anti-químicos, o BPA é um composto químico que imita o hormônio feminino estrogênio e pode ser “ligado” a uma série de condições médicas perigosas, que vão desde o câncer até a puberdade precoce e o temido “homem com mamas.”Mais uma vez, no entanto, a histeria não se mostrou real. De acordo com a FDA:

Os consumidores devem saber que, com base em todas as evidências disponíveis, que o consenso atual entre os órgãos reguladores nos Estados Unidos, Canadá, Europa e Japão é que os atuais níveis de exposição ao BPA através de embalagens de alimentos não representam um risco imediato à saúde para a população em geral, incluindo crianças e bebês.

Esta é uma notícia surpreendente, especialmente considerando-se que de acordo com uma pesquisa da Harris, dos membros titulares da Sociedade de Toxicologia de 2009, 96 por cento dos toxicologistas acreditam que o Greenpeace exagera os riscos à saúde advinda de produtos químicos. Algo a considerar na próxima vez que você ouvir os sinos de alarme do Greenpeace sobre os compostos químicos, soando fora do gancho.

As primeiras metas e objetivos contínuos

Nenhuma arma nuclear agora. Nenhuma arma nuclear nunca.

Quando o Greenpeace foi fundado em 1969, a possibilidade de aniquilação nuclear total do mundo parecia real e iminente e a organização passou seus anos iniciais como um oponente de todas as ações de natureza nuclear. Em 1971, o Greenpeace embarcou em sua primeira viagem, uma viagem a Amchitka, nas Ilhas Aleutas, em um esforço para tentar parar o que estava destinado a ser o maior teste subterrâneo de armas nucleares dos Estados Unidos. Quando a missão especial falhou, os fundadores do Greenpeace voltaram a sua atenção para debater sobre o teste nuclear, o que se mostrou eficaz, convencendo o presidente Nixon a cancelar os testes restantes com bombas de hidrogênio. Eventualmente, o Greenpeace foi bem sucedido em levar a sua posição contra a disseminarão das armas nucleares ao redor de todo o mundo.

Apesar do fato de que a década de 1970 marcou o início do fim da Guerra Fria e com ela a dissipação lenta da ansiedade em torno da possibilidade de um holocausto nuclear total, o Greenpeace agarrou-se as suas convicções sobre os males de tudo o que fosse nuclear. Para isso, o Greenpeace afirma que a energia nuclear não é segura e nem limpa. No site da organização, eles argumentam:

1- Se uma fusão ocorrer, o acidente poderia matar e ferir dezenas de milhares de pessoas, deixando grandes regiões inabitáveis. E, mais do que 50 anos após a divisão do primeiro átomo, a ciência ainda tem de desenvolver um método para o tratamento de forma adequada dos resíduos radioativos de meia vida longa.

O pior desastre nuclear da história ocorreu em 1986, quando a usina nuclear de Chernobyl, na Ucrânia, sofreu uma fusão completa do núcleo do seu reator. Este desastre é amplamente entendido como resultante de uma combinação de um projeto falho do reator e erros graves cometidos pelos operadores da central nuclear. Até o momento, Chernobyl é o único acidente da história da energia nuclear comercial, onde as mortes relacionadas com a radiação ocorreram. Assim, enquanto os perigos da energia nuclear são sérios, na verdade, o medo de fato do Greenpeace em torno desta modalidade de produção de energia precisa ser colocado em perspectiva.

De acordo com a Informações do Fórum Eólico Caithness houveram 35 mortes associadas com turbinas eólicas nos Estados Unidos entre 1970 e 2010. A energia nuclear, por outro lado, não matou um único americano na época. De fato, a indústria nuclear nos EUA tem mantido um dos melhores registros de segurança do mundo. Em 2008, os trabalhadores da indústria nuclear dos EUA experimentaram uma taxa de acidentes de apenas 0,13 acidentes para cada 200.000 trabalhadores-hora. Em comparação, a taxa de acidentes para todas as indústrias de manufatura combinada, foi de 3,5 para cada 200 mil horas de trabalho. Isso é 27 vezes a taxa experimentada na indústria nuclear.

Quanto à questão de armazenamento, a tecnologia de armazenamento seguro para os resíduos nucleares (e até mesmo para reciclá-los) já existe faz tempo, o Greenpeace e a cultura do medo que suas políticas promovem devem continuar a ficar no caminho da viabilidade à longo prazo das soluções de armazenamento e eliminação de resíduos nucleares. A saga do site de Yucca Mountain, em Nevada, é um caso perfeito desse ponto.

2- Durante anos as usinas nucleares vazaram resíduos radioativos provenientes de tubulações subterrâneas e piscinas de resíduos radioativos na água do solo em locais de todo o país.

Este é mais um caso da história da Guerra Fria sendo extrapolada para a realidade da tecnologia atual. soluções de armazenamento modernos para nuclear usado combustível são seguros e seguro. O combustível nuclear usado assume a forma de pelotas sólidas que não são corrosivas e podem ser contidas com segurança em recipientes de aço e concreto que foram projetados especificamente para durar centenas de anos ou até mais. Além disso, todo este combustível usado tem a capacidade de ser reciclado:

Ao longo dos últimos 50 anos a principal razão para o reprocessamento de combustível usado foi o de recuperar o urânio e o plutônio não utilizados nos elementos combustíveis usados e, assim, fechar o ciclo do combustível, ganhando cerca de 25% mais energia do urânio original no processo, contribuindo assim para a energia segurança. Uma segunda razão é a de reduzir o volume de material a ser eliminado como resíduo de alto nível tóxico em cerca de um quinto. Além disso, o nível de radioatividade do material reprocessado é muito menor e após cerca de 100 anos cai muito mais rapidamente do que no próprio combustível usado.

Muitos países, incluindo França, Japão, Reino Unido e Rússia já têm políticas de reciclagem de combustível nuclear e, supondo que possamos ultrapassar a postura política e a cultura do medo em torno do conceito de energia nuclear, não há razão para os EUA não seguir o exemplo.

3- Não existe tal coisa como uma dose “segura” de radiação e só porque a poluição nuclear é invisível não significa que ele está “limpo”.

O Greenpeace sustenta a tese do modelo linear no-threshold (LNT), a respeito da teoria da radioatividade.Em suma, a hipótese LNT diz que não há nível seguro de radiação.No entanto, um outro modelo, a resposta à dose hormetica (RH), postula que a radiação de baixa dose (no ou um pouco acima dos níveis naturais) é realmente benéfica para a saúde, talvez devido à estimulação dos mecanismos de reparação naturais no corpo. A crença científica atual é que nenhum destes dois modelos pode ser visto como definitivo e sem estudar mais é impossível apoiar a conclusão do Greenpeace.

4- Além de ser extremamente perigoso, o caráter “verde” que pregam os lobistas da energia nuclear, o que é apoiado pela indústria, desvia investimentos em fontes limpas e renováveis de energia. Em contraste com a energia nuclear, a energia renovável é limpa e segura. Tecnicamente fontes renováveis de energia acessíveis são capazes de produzir seis vezes mais energia do que a demanda global atual.

Afirmar que as necessidades de energia do mundo podem ser satisfeitas pelas energias renováveis sozinhas (isto é, a eólica e a solar, porque o Greenpeace não considera fontes renováveis as hidrelétricas ou a biomassa) é enganosa na melhor das hipóteses, e na pior das hipóteses, uma ficção absoluta concebida pelo Greenpeace para convencer o mundo de que um futuro de energia limpa é possível sem a energia nuclear.

Em 2011, no Reino Unido o The Independent relatou sobre como o Greenpeace manipula os números a fim de convencer o público de que um futuro alimentado exclusivamente por energia eólica e solar é realmente viável:

A maior autoridade do mundo sobre mudança climática usou uma ativista do Greenpeace para ajudar a escrever um dos seus principais relatórios, que os críticos citam que foram feitas alegações enganosas sobre energia renovável, The Independent aprendeu.

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), criado pela ONU em 1988 para aconselhar os governos sobre a ciência por trás do aquecimento global, publicou um relatório no mês passado, sugerindo que as fontes renováveis poderiam fornecer 77 por cento da oferta mundial de energia até 2050. Mas, em documentos divulgados esta semana, verificou-se que o pedido foi baseado na premissa de queda, em termos reais, do consumo de energia em todo o mundo ao longo dos próximos 40 anos – e que o autor da seção em questão era um empregado do Greenpeace. Não só isso, mas o cenário de modelagem utilizado foi o mais otimista dos 164 investigados pelo IPCC.

O Co-fundadodor da Sun Microsystems  e capitalista de risco Vinod Khosla, um homem cujo nome passou a ser sinônimo de “startups” de tecnologia limpa também é cético em relação à organizações como o Greenpeace que insistentemente pregam que os problemas energéticos do mundo podem ser somente resolvidos por energias renováveis:

Para cada planta nuclear que os ambientalistas abortaram a instalação, eles acabaram fazendo com que duas usinas a carvão fossem construídas.

Essa é a história dos últimos 20 anos. A maioria das novas usinas no país (EUA) são o carvão, por causa dos ambientalistas, os opositores das usinas nucleares. Quando você pergunta a alguém como o NRDC, “Você prefere a energia nuclear ou o carvão?” Eles dizem: “Nós preferimos mais a nuclear do que o carvão, mas não queremos que seja”. Isso não funciona dessa forma, precisamos de energia.

Eles gostariam de ver disseminadas a energia fotovoltaica, a eólica e a solar. Bem, elas não funcionam à custos menores do que 40 centavos de dólar por kilowatt- hora e não funcionam se você tiver que dizer aos clientes: “Nós vamos enviar energia quando o vento estiver soprando e o sol estiver brilhando, mas caso contrário, você tem que perder sua novela ou o seu jogo favoritos”.

E é aí que reside a contradição final na agenda anti nuclear do Greenpeace. “Por um lado, o movimento exige a redução do consumo de combustíveis fósseis, enquanto por outro lado, apresenta o maior obstáculo para alcançar esse objetivo”, escreve Patrick Moore em Confessions of a Greenpeace Dropout:

Fazendo campanha diligentemente contra nossas duas melhores esperanças para o fornecimento de energia para o crescimento populacional mundial, o Greenpeace está, em essência, condenando-nos a todos, a um futuro frio e escuro – que será especialmente difícil para as nações e populações que não podem pagar o investimento significativo em energia eólica ou solar.

Desastres Naturais ou Propaganda?

Durante os recentes fracassos usina nuclear de Fukushima, que ocorreu na sequência de um catastrófico terremoto e tsunami, o Greenpeace publicou esta declaração aparentemente simpática em seu site:

Nossos pensamentos continuam a ser com o povo japonês, como eles enfrentam a ameaça de um desastre nuclear.

Em vez de uma mensagem de condolências para os milhares que morreram em edifícios desmoronados, sob a gigante parede de água que correu em todas as áreas de baixa altitude, ou da subsequente falta de água potável ou de acesso aos cuidados de saúde, o Greenpeace usou essa calamidade humana para acumular mais um ponto de propaganda antimísseis nucleares.

Mas apesar das alegações de que a contaminação de radiação chegaria tão longe quanto a Califórnia, contaminando o leite que milhões de americanos iriam todos os dias beber com níveis assustadoramente minúsculos de radiação, no holocausto nuclear se seguiu. A usina de Fukushima resistiu à provação mais intensa que a Mãe Natureza poderia imaginar e ainda assim conseguiu evitar tornar-se uma outra Chernobyl. Como George Monbiot escreveu noThe Guardian em 21 março de 2011:

Você não vai se surpreender ao saber que os eventos no Japão mudaram meu ponto de vista da energia nuclear. Você ficará surpreso ao ouvir como eles mudaram isso. Como resultado do desastre de Fukushima, já não sou neutro na questão nuclear. Eu agora dou suporte à tecnologia.

A antiga fábrica de baixa qualidade com características de segurança inadequadas foi atingida por um terremoto monstruoso e um enorme tsunami. O fornecimento de eletricidade falhou, derrubando o sistema de refrigeração. Os reatores começaram a explodir e derreter. O desastre expôs um legado familiar de má concepção e de corte de custos. No entanto, tanto quanto sabemos, ninguém ainda recebeu uma dose letal de radiação.

O fato em questão é que todos nós somos bombardeados por radiação a partir de uma ampla gama de fontes todos os dias, e até mesmo a exposição à níveis de radiação decorrentes do desastre de Fukushima Daiichi não é comparável ao nível de radiação a partir de uma única tomografia computadorizada de cabeça ou tórax.

Como o Greenpeace continua a lutar com unhas e dentes contra a energia gerada por usinas nucleares e hidrelétricas e a queima de combustíveis fósseis, torna-se cada vez mais difícil ignorar que o Grupo é, em essência, contra aproximadamente 98 por cento do fornecimento de energia do mundo. Este não é o caminho para um futuro sustentável para a civilização.

Um conto do tamanho de uma baleia

Depois de chamar a atenção para os males dos testes nucleares, a segunda missão mais antiga do Greenpeace foi centrada em uma criatura cuja natureza, tamanho e extraordinária inteligência, fez-lhes um ícone perfeito para um Grupo ambiental incipiente. “A campanha Salve as Baleias parecia uma idéia brilhante”, escreve o fundador do Greenpeace Patrick Moore. “Especialmente por que as baleias são criaturas que carregam um grande simbolismo. Através de revistas, filmes e televisão, o público começou a apreciar a complexidade do comportamento de baleias, a sua vida social, inteligência. As baleias eram legais”.

De fato, desde a sua primeira missão em impedir que as frotas de pesca russas da arpoamento das baleias, ameaçadas de extinção, na costa da Califórnia, em 1975 operasse, o Greenpeace canalizou o impacto emocional do abate de baleias para todos. E enquanto o grupo se contenta em deixar que a situação destes gigantes gentis continue no mesmo “status”, isso os ajuda a angariar fundos e recrutar membros, o impacto real do Greenpeace sobre a indústria baleeira ao longo dos últimos 35 anos é altamente suspeito.

Em 2008, Paul Watson, um dos primeiros membros do Greenpeace e, posteriormente, fundador e presidente da Sea Shepherd Conservation Society escreveu um comentário contundente sobre a “fraude” das campanhas do Greenpeace em salvar as baleias:

“Basta”, escreve ele. “A fraude do Greenpeace sobre salvar as baleias deve ser exposta. Durante anos, eu tenho tolerado a sua pretensão de ação e vê-los arrecadar lucros enormes a respeito da caça às baleias”.

“O Greenpeace faz mais dinheiro com anti-caça à baleia do que a Noruega e a Islândia, combinados, de caça às baleias. Em ambos os casos, as baleias morrem e alguém lucra”.

O Greenpeace, ele argumenta, usa o apelo emocional sobre as baleias sendo abatidas para alavancar doações e recrutar membros.Mas enquanto o Greenpeace usou esta tática com sucesso para angariar centenas de milhões de dólares ao longo de seus mais de 40 anos de existência, eles não conseguiram inibir que os baleeiros japoneses prosseguissem na sua “colheita”.

“Este ano [2008] um apelo anual para salvar as baleias feita pelo Greenpeace foi a mais recente estratégia de relações públicas de uma campanha global para angariar dinheiro de pessoas de boa fé”, escreve Watson. E, de acordo com Watson, o Greenpeace nem sequer fundamentalmente se opõem à caça. Considere estas citações dos porta-vozes do Greenpeace:

“O Greenpeace não é contra a caça às baleias, em princípio.”

John Frizell, diretor do Greenpeace International. Do Livro Política Greenpeace, 1994

“Como um cientista natural, não posso aceitar que o Greenpeace se oponha à caça de baleias. Deve ser permitida a colheita de um recurso renovável. Para mim, este é um princípio importante”.

Leif Ryvarden, ex-presidente do Greenpeace na Noruega. De uma entrevista com Dagbladet, 2 de agosto de 1991:

“A colheita da baleia Minke (1993) não constitui uma ameaça para o estoque”.

Ingrid Bertinussen, diretor do Greenpeace na Noruega. A partir de uma entrevista na rádio Noruega (NRK), 22 de outubro de 1993.

“A captura norueguesa não é uma ameaça para o estoque de baleias Minke”.

Kalle Hesstvedt do Greenpeace na Noruega, a partir de uma entrevista com o jornal norueguês “Nordlys” em 21 de maio de 2008, Hesstvedt não descarta a possibilidade de que o Greenpeace pudesse aceitar a caça comercial, quando as quotas de captura são atribuídas pela Comissão Baleeira Internacional (CBI).

Em 1997, Watson tinha investigado o Greenpeace pelo Serviço Nacional de Pesca Marinha dos Estados Unidos, por participação da caça de baleias. Tripulantes do Greenpeace no navio quebra gelo Arctic Sunrise realmente rebocaram uma baleia ártica abatida para favorecer o navio baleeiro Inupiat no mar de Bering. Ao fazer isso, ele afirma, se violou as legislações americana e internacional. O incidente foi relatado amplamente nos meios de comunicação do Alasca e os baleeiros usaram o incidente para ridicularizar o Greenpeace em 1997 no encontro da Comissão Baleeira Internacional, em Mônaco.

A Erudição do Lorax

O Greenpeace tem sido há muito inimigo da indústria florestal, apesar do fato de que as árvores e os seus produtos são um dos recursos renováveis mais importantes do mundo. Produtos de madeira compõem 47 por cento de todas as matérias-primas industriais fabricadas nos Estados Unidos, mas consomem apenas 4 por cento do total da energia necessária para a fabricação de todas as matérias-primas industriais. Além disso, apenas uma árvore adulta absorve cerca de 13 quilos de dióxido de carbono por ano. Para cada tonelada de madeira de uma floresta que cresce, ela remove 1,47 toneladas de dióxido de carbono e contribui com a geração de 1,07 toneladas de oxigênio.

Então, porque ninguém perguntou ao Greenpeace por que se eles são a favor de salvar, ambas, isto é, as árvores e o meio ambiente, continuam a se opor à práticas florestais sustentáveis? Ao invés de tentar banir os produtos de madeira, deveríamos estar abraçando o uso da madeira e, por extensão, fazendo crescer mais árvores.

Por quê?

  • A madeira é um material renovável.
  • Ela requer menos energia para produzir do que os produtos de construção alternativos e contribui muito menos para as emissões de gases de efeito estufa do que suas concorrentes não-renováveis, como o aço e o concreto.
  • A madeira é o melhor isolante térmico contra o calor e o frio, o que torna o material mais eficiente sob o aspecto energético, diminuindo as contas com o consumo de energia domiciliar. Ao contrário do aço e do concreto, a madeira não conduz calor e frio. A madeira é 400 vezes mais isolante térmica do que o aço, então casas construídas com vigas de madeira usam menos energia para o aquecimento e resfriamento.
  • Como único material de construção renovável do mundo, a madeira pode não somente ser reciclada, mas também regenerada. Além do mais, as árvores proporcionam benefícios para o meio ambiente ao mesmo tempo que crescem, levando-se em conta o seqüestro de dióxido de carbono e a liberação simultânea de oxigênio.

O Greenpeace é contra o corte de árvores ou o uso de madeira (ou produtos de papel, e nem mesmo papel higiênico). Mas, se deixarmos de usar madeira em função do corte de árvores, teríamos automaticamente que usar mais aço, concreto e plástico como matérias-primas para apoiar a infra-estrutura do mundo.

E ao contrário da crença popular, não estamos ficando sem árvores. Na verdade, o crescimento das florestas nos EUA aumentam continuamente desde 1940. A área geográfica que engloba os Estados Unidos hoje tem maior extensão de cobertura florestal – um terço da massa terrestre – do que em 1920.

Mas, em um esforço para apoiar a sua posição irracional contra a silvicultura, o Greenpeace mais uma vez inclinou-se para distorcer a verdade – desta vez deturpando a posição cada vez mais credível do IPCC sobre as florestas. Segundo o Greenpeace, o IPCC compartilha sua própria meta de alcançar a meta zero de desmatamento, a nível mundial, em 2020.  Na realidade,o que o IPCC diz é o seguinte:

No longo prazo, uma estratégia de manejo florestal sustentável que visa manter ou aumentar os estoques de carbono da floresta, e com uma produção anual sustentada de madeira, fibras ou energia da floresta, irá gerar o maior benefício sustentável visando a mitigação ambiental.

O Greenpeace quer culpar os madeireiros pelo desmatamento, quando na realidade mais desmatamento é causado pela nossa demanda contínua por produtos agrícolas para alimentar a população. A silvicultura sustentável cria mais árvores do que ela destrói, mas derrubar florestas virgens para produzir alimentos é, sem dúvida, ruim para o meio ambiente e as árvores.

Estranhamente, porém, mas não surpreendentemente, uma das soluções para travar a conversão continuada de mata virgem em terras agrícolas é mais um dos maiores alvos do Greenpeace: o cultivo dos produtos geneticamente modificados. Um dos objetivos de variedades transgênicas é cultivar mais alimentos a partir de uma pegada agrícola menor – e ainda assim o Greenpeace quer assegurar que o mundo nunca mais veja os benefícios destas tecnologias.

AÇÃO POPULAR NACIONAL

Quando ativistas invadem a residência privada de um funcionário de um banco, quando o seu alvo não está em casa – mas seus filhos estão – eles podem ser de um grupo de agitação de esquerda que se autodenomina “Ação Nacional Popular”, associada à sindicatos e organizações apoiadas financeiramente por George Soros é algo notório para radicais […]

EARTH ISLAND INSTITUTE (Instituto Ilha Terra)

A Visão geral do Earth Island Institute (EII), um grupo ativista ambiental endinheirado fundado por David Navegador- o mesmo ambientalista que fundou o Sierra Club, a Liga dos Eleitores Conservacionistas e outras organizações ambientais.

Tal como o Sierra Club, EII cresceu de um grupo humilde para uma organização radical  de milhões de dólares.EII é […]

IZAAK WALTON LEAGUE OF AMERICA

Porque um grupo de “pesca” estaria preocupado com a população mundial? At a Glance posando como um grupo de pesca, o Izaak Walton League of America recebe rios de dinheiro para uma variedade de causas ambientalistas tendo por pano de fundo o PET, que vão desde campanhas anti-energia para o controle da população.o histórico do Grupo mostra que foi fundada em 1922 por 54 pescadores, em homenagem a um autor do século 17, […]

MATT PRESCOTT

Matthew Prescott é o diretor de política alimentar para o chamado Humane Society dos Estados Unidos. Está muito claro que a política alimentar de Prescott é: “Holocausto” Só dietas veganas são “humanas”, e qualquer um que coma carne e queijo está apoiando um novo holocausto E ele mesmo sai em defesa das ações terroristas do animal […]

PAUL WATSON

Fundador e Presidente da Sea Shepherd Conservation Society; Co-fundador da Greenpeace; Membro do Conselho, Sierra Club

STEPHEN SHRYBMAN

Parceiro, Sack Goldblatt Mitchell LLP (Canadá); conselheiro, O Conselho de Canadenses; o ex-advogado, Greenpeace EUA; o ex-advogado pessoal do Canadian Environmental Law Association.

BRUCE MCKAY

Diretor-fundador, Greenpeace Montreal; ex-assessor de ciência, Greenpeace International.

BOYCE THORNE-MILLER

Membro do Conselho, a Costa Aliança; Membro do Conselho, a Rede Ártico; Fundador co-diretor, dos advogados do oceano; Consultor Oceânico, Greenpeace International e World Wildlife Fund; Ex-empregado, A Sociedade Oceânica e Amigos da Terra.

KIERAN MULVANEY

Ex-militante da ecologia e ativista anti-caça à baleia, Greenpeace International; fundador, o Whale and Dolphin Conservation Society; autor, o livro Greenpeace de Dolphins.

JOHN PASSACANTANDO

Co-fundador da Ação de ozônio; ex-diretor executivo, o Florence and John Schumann Foundation.

A GLOBO, VELHA, ARDIDA, MAL CHEIROSA

Tags

, , , ,

A velha ardida e mal cheirosa globo

No comment…

A Globo nesses tantos anos de sua existência, perdeu a essência. A identidade. Literalmente envelheceu….

O envelhecimento no caso da Globo foi de substância. Ela se perdeu. Perdeu o respeito pelo telespectador ao desinformar, escamotear informações, partidarizar sem declarar patrocínio e iludir os já iludidos e desiludidos.

Enfim, perdeu a credibilidade. O seu maior capital. Além do mais, continuam na mesmice da velha fórmula do tempo do chacrinha de se apegar ao binômio de novelas, chatas, monótonas, de começo, meio e fim previsíveis, aliado a programas de auditório de segunda, de Big Brothers do mais baixo nível e calão, apoiado em claquetes que aplaudem sem entender, num jogo de cartas marcadas.

Essa é a Globo, velha, ardida. mal cheirosa. Esses 50 anos são decepcionantes….

A GLOBO VELHA ARDIDA MAL CHIEROSA

A Globo, velha, ardida, mal cheirosa…Um desserviço para a Sociedade.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 432 outros seguidores